Major Malfunction

Quem fez a sugestão desse plug-in foi o James Delato

O plug-in Dblue Glitch, foi um dos motivos para eu montar um desktop com Windows para produzir, fiquei muito feliz com a possibilidade de usar um efeito similar no MAC (para as minhas apresentações ao vivo) e mash-ups/reedits.

Fiquei tão animado com os resultados obtidos com o demo, que não tive dúvida e passei o cartão, acho justo investir em software principalmente quando eles dão um resultado tão bom com uma ferramenta simples e eficaz, o preço de U$25,00 também ajuda muito.

Fiz uma pequena demonstração do potencial do Major Malfuntion

Consegui fazer contato com o Dan Nigrin que produz o software, para uma entrevista exclusiva – acabei descobrindo que o cara influenciou gêneros importantes como Techno e o Glitch.

Entrevista Exclusiva – Dan Nigrin

  • Ilan Kriger: Quem criou o Vst Major Malfunctions?

Dan Nigrin: Defective Records/Software = Dan Nigrin, eu mesmo, faço tudo por aqui.

  • Ilan Kriger: Quanto tempo você investiu para criar ele?

Dan Nigrin: A maneira mais fácil de responder isso é fazendo uma revisão do desenvolvimento do plug-in.

A primeira versão foi criada entre janeiro de 2006 e 2007. Obviamente não foi um trabalho em tempo integral, pois desenvolver software não é o meu trabalho principal. Depois veio a versão 1.5, que foi criada entre fevereiro e julho de 2007, e depois a versão 2.0, de julho a novembro de 2007. Logo após eu parei o desenvolvimento para trabalhar em outras coisas, incluindo o Klee que é um step sequencer (http://defectiverecords.com/klee) e também o MC-202 que é software que facilita a utilização do sintetizador Roland MC-202 (http://defectiverecords.com/mc202hack).

  • Ilan Kriger: Onde você encontrou inspirarão para criar o Major Malfunction?

Dan Nigrin: Essa é uma estória engraçada. Eu toco em uma banda chamada Glitch desde 1990. Nós lançamos músicas em muitos selos influentes incluindo: R&S, Industrial Strength, Fax, Radikal, Antler-Subway entre outras.

Já trabalhamos com Ritchie Hawtin, Lenny Dee e outros gigantes, no nascimento do gênero Techno, depois disso nós decidimos criar o nosso próprio selo o Defective Records (http://www.discogs.com/artist/Glitch) e http://www.discogs.com/label/Defective+Records).

  • Glitch (pequeno defeito no som);
  • Defective (defeito);
  • Malfunction (mal funcionamento).

Você vê alguma similaridade?

Um dia eu estava fazendo uma pesquisa no Google pelo termo “Glitch” e “music” ou alguma coisa parecida, acabei encontrando o plug-in chamado Glitch produzida pela dblue, imagine o meu choque, eu já estava meio louco que um gênero inteiro tinha emprestado o nome da minha banda, imagine como eu fiquei depois de descobrir que tinha um plug-in com o mesmo nome.

Claro que eu adorei isso imediatamente, mas o Db Glitch só é produzido para Windows, e Windows não é minha plataforma preferida. Decidi então, criar uma versão para MAC, incluindo as minhas próprias ideias de como ele deveria funcionar, tentando fazer o plug-in mais simples e fácil possível de se manipular.

  • Ilan Kriger: O Major Malfunction foi criado no pluggo (que é baseado no Max/Msp) da empresa Cycling ’74 que criou em parceria com a Ableton o Max for Live, você planeja criar uma versão para do MM para o Max for Live (com isso usuários do Windows também poderia usar o plug-in)?

Dan Nigrin: Estou pensando em como criar um versão do Major Malfunction para o Max for Live. Mas como ele tem uma interface relativamente grande, estou achando um grande desafio faze-lo caber no pequeno espaço que os devices do MfL tem para usar (mesma tamanho dos plug-ins nativos do Ableton), e tem também o problema da pirataria para resolver (os devices do MfL são abertos para serem copiados).

O MM 1.5 tinha uma versão para Windows mas que não funcionava direito, na época eu desisti da ideia.

Tenho certeza que eu poderia ter uma versão MfL se eu investisse mais tempo nisso.

  • Ilan Kriger: O que você está planejando para o futuro?

Dan Nigrin: A próxima coisa que eu quero terminar é uma nova versão do step sequencer Klee. Eu amo tocar neste aplicativo, tenho muitas ideias de como melhorar ele. Depois disso eu provavelmente vou trabalhar em uma versão do Major Malfunction para o Max for Live.

Tenho também como hobby criar hardwares de sintetizadores analógico (DIY), eu gostaria de ter mais tempo para investir nisso, estou atualmente restaurando um velho sintetizador modular de um amigo chamado Paia.

O que você achou do Major Malfunction?