fbpx

Hoje estou iniciando uma série que vai permitir a você desenvolver uma nova forma de “tocar” – essa nova forma não vai vir para substituir as antigas, ela vai ser sim uma alternativa usada por DJs, que estão procurando ter uma carreira de sucesso.

DJ é músico e eu vou provar porque:

Essa é uma discussão que pode gerar horas de debate, mas acredito que com alguns dos motivos que eu vou dar nos artigos desta série, até os mais céticos vão dar o braço a torcer.

Definição de músico – retirada da Wikipedia:

Adota-se o termo músico quando nos referimos a qualquer pessoa ligada diretamente à música, em caráter profissional ou amador, exercendo alguma função no campo de música, como a de tocar um instrumento musical, cantando, escrevendo arranjos, compondo, regendo, ou dirigindo um grupo coral ou algum grupo de músicos, como orquestras, bandas, big band de Jazz, ou ainda lecionando, trabalhando no campo de educação, em terapia musical.[1][2] Um músico brasileiro pode ter ou não, uma carteira de alguma instituição que o reconheça, como a Ordem dos Músicos do Brasil.[3] Um músico também pode ou não ter a formação acadêmico-técnica (através de escolas de música, conservatórios, faculdades ou universidades). Quando ele não tem formação alguma, costuma-se dizer que é um músico popular, ou ainda que aquele músico produz música de ouvido.[4]

Se você for pegar só essa parte: “exercendo alguma função no campo de música” o DJ por si só já pode ser considerado músico. Mas o “alguma função” é descrito como: “a de tocar um instrumento musical, cantando, escrevendo arranjos, compondo, regendo, ou dirigindo um grupo coral ou algum grupo de músicos” – não se desespero – com as ferramentas e técnicas que eu vou apresentar nesta série, vai ficar fácil de perceber que um DJ mesmo sem formação “musical” é capaz de:

  • Tocar um instrumento;
  • Escrever arranjos;
  • Compor;
  • Dirigir um grupo de músicos (outros DJs).

Você está achando complicado ou impossível?

É mais simples e fácil do que parece, veja como vão ser divididos os artigos:

  • Parte 1 – S4 (controladora e software): um músico preciso de uns instrumento para criar a sua arte – o tudo em 1 para DJs desenvolvido pela Native Instruments é com certeza a melhor opção no mercado – mas também existem alternativas para isso e provavelmente aquela controladora Midi que você tem em casa já serve;
  • Parte 2 – Ableton Live: o Ableton pode não ser a melhor ferramenta do mundo para performance de DJs, mas ele não deixa de ser importante para preparar clips, músicas e acapellas para serem usados no Traktor;
  • Parte 3 – The Finger e The Mouth: o produtor musical inglês Tim Exile é um mago do Reaktor (instrumento virtual que cria outros instrumentos e efeitos) e com ele vem construindo ferramentas para performance ao vivo revolucionárias;
  • Parte 4 – Sincronização de vários computadores: um computador já tem um grande poder de fogo, mas imagine 2, 3, 4 ou mais computadores pilotados por diversos artistas – dessa forma o poder sônico de uma apresentação ganha muito mais alternativas;
  • Parte 5 – Telas de multi-toque: nada melhor do que criar os seus próprios instrumentos e interfaces, o iPad e outras superfícies multi-toque permitem isso por uma fração do preço de outras alternativas similares.

Temas importantes para você refletir:

O que você acha? DJ é músico?