O Jesus Luz consegue ser ao mesmo tempo: ator, salvador, produtor, chorão e Moisés. Ele de uma certa forma ampliou e fortaleceu um debate que já vinha acontecendo no Brasil desde o começo do ano passado, com a discussão entre quem faz Live e quem faz Dead Pa.

O que nós não podemos fazer é acreditar que todas as celebridades que decidem subir na cabine, são pretensiosos e sem preparo, por isso criei uma classificação para esse tipo de  “DJ’ e melhor que isso, consegui uma entrevista exclusiva com um verdadeiro DJ que também é celebridade.

Classificação de DJs celebridades:

  • Despretensioso: se você tem um amigo que está fazendo novela na Globo, qual é o problema de chamar ele para tocar algumas músicas na sua festa de aniversário? Muitos desses “DJs”, tocam gêneros musicais (rock, pop, reggae e etc) em que a mixagem é um detalhe – isso facilita para que qualquer pessoa sem preparo não passe vergonha;
  • Amador: dentro deste grupo existem dois tipos:

Amadores e querem continuar assim, eles não sabem tocar, não fazem questão de aprender e de vez em quando fazem um set na festa de um amigo ou em um clube.

Amadores que quer ter uma carreira profissional, eles também não sabem tocar, mas mesmo assim querem aproveitar para fazer uma grana extra, estes tem teoricamente uma carreira curta dentro do universo da discotecagem, pois ele vai disputar com DJs profissionais que não vão gostar de ver sua posição ameaçada por um falso DJ.

  • Profissional: Esses são raros (como no caso do Raul Boesel), mesmo alguns destes famosos que não são músicos, estudam e se aprofundam nesta arte para virar verdadeiros DJs – esse grupo é o mais sadio para a música eletrônica, pois fazem pessoas que nunca ouviram esse tipo de som começarem a se interessar pelo assunto.

DJ Celebridade é um mal moderno?

Com certeza não.

Estou longe de querer defender DJs como o Jesus Luz, mas acredito que qualquer um que tenha o pré-requisito de gostar de música, pode com o devido estudo se tornar um DJ.

Entrevista Exclusiva com Raul Boesel

  • Quando você começou a se interessar por música eletrônica?

Por música a muito tempo, na minha juventude, (anos 70) já gravava minhas próprias fitas cassete, acompanhei o desenvolvimento da música eletrônica desde o início, durante minha carreira no automobilismo sempre comprando, escutando fazendo ginástica, dentro do avião, em casa, e sempre foi para o lado da eletrônica, para você ter uma idéia, quando fui para a Inglaterra em 1980 no início de minha carreira tive a oportunidade de ver o show The Wall do Pink Floyd, e muitos outros, sempre fui apaixonado por música. Já fui a vários festivais de música eletrônica, Dance Valley na Holanda, Global Gathering na Inglaterra, vários Scholl Beats e 7 anos seguidos que vou a Ibiza.

  • Como surgiu a ideia de começar a tocar?

No final de 2006 depois de mais de 30 anos como piloto minha motivação estava em baixa, comecei a acordar pensando em música em vez de motor, suspensão, pneus…(risos) aí achei que estava na hora de parar. Sempre tive a curiosidade de aprender a tocar e achei que esse era o momento, mas com a idéia de fazer profissionalmente não por hobby como muitos pensam.

  • Quanto tempo você investiu praticando, antes de tocar em uma casa noturna pela primeira vez?

Em janeiro de 2007 o Carlo Dall’Anese me indicou os equipamentos e me apresentou o Fabio Castro que foi o meu mestre, me tranquei em casa, tendo aulas, praticando, estudando e pesquisando, ficava de 6 a 8 horas por dia em cima dos CDJ’s, fiz uma conta, foram mais de 1500 horas, depois de 8 meses o Fábio achou que estava na hora de fazer minha primeira apresentação em público, que foi na Euro em Santos no dia 26 de agosto de 2007, onde o Fabio era residente. Nessa noite o Paulo Silveira da 3Plus viu eu tocar, desde então faço parte do casting da agência.

  • Você sente que o público vai assistir você, por que você é o piloto Raul Boesel ou por que você é DJ Raul Boesel?

Hoje muitos já vão pelo DJ Raul Boesel, muita gente que já me viu tocar volta, normalmente volto a tocar nas casas que já me apresentei, acredito que é o melhor testemunho de que gostaram. Também acho que tem gente que vai conferir o piloto que virou DJ.

  • Ser uma personalidade ajuda ou atrapalha a sua carreira?

No início achei que iria ajudar mas fiquei surpreso, acredito que por ser conhecido por uma carreira totalmente diferente, que eu estava querendo aparecer ou era hobby. Muitos promotores e donos de casas noturnas tinham um certo ceticismo e acho que em alguns casos ainda tem em relação ao Raul Boesel como DJ. Por outro lado as pessoas e os DJ’s residentes ficam surpresos de como eu toco e o que eu toco, muitas vezes é divertido a reação do público, tipo…não acredito que é ele que está tocando, ou, sou seu fã como piloto e agora como DJ. Acredito que já conquistei credibilidade como DJ mas reconheço que ainda tenho uma longa caminhada….

  • Qual a sua dica para outros famosos que querem começar a tocar?

Primeiro ter realmente a paixão pela música, os que estão para “atacar” de DJ não duram muito, dedicação para aprender a técnica, ter a senssibilidade de entender a pista, pesquisa diária, é muito dinâmico, todos os dias aparecem inumeras musicas novas e muito importante, ter sua personalidade musical, tocar só chacota o DJ não vai longe e ninguém merece.

Detalhe: até sem headphone o DJ piloto mixa.

Mix set do Raul Boesel – Deborah’s Choice

[audio: RB_Deborah_s_Choice_2.MP3]

Faça o download do set aqui.