O Bevi fez um comentário que me chamou atenção no artigo do Preview do AIMEC Live Tournament – Amistosos e Regras.

Ele colocou dois vídeos das estripulias do projeto Undog com o Guittar Hero controlando o Ableton Live.

Aqui ele mostra mais em detalhes como é o set-up:

O Bevi fez um relato completo de como ele chegou neste resultado:

O Undog é um duo formado por mim (Bevi), e pelo Renan. Nos conhecemos em Florianópolis por que ambos fomos fazer faculdade por lá. Renan foi de Curitiba, para fazer Jornalismo e eu de São Paulo para fazer Engenharia e, depois, Matemática. Moramos juntos lá por um semestre, chegamos a montar uma banda, mas foi quando nós dois morávamos já em São Paulo que resolvemos começar esse projeto, no final do ano passado.
Alguns dias depois de decidirmos começar o projeto juntos estávamos pensando em possibilidades de controladores alternativos enquanto jogávamos Guitar Hero no Wii. Renan então falou que a gente podia mesmo era tocar a guitarra no live e eu resolvi tentar. Comecei a estudar um pouco do MAX/MSP, mas acabei encontrando uma solução mais simples.

O maior problema era fazer com que os botões da guitarra não funcionassem apenas como teclas de um teclado. Eu queria que ela funcionasse mesmo como no jogo, precisando que se “paletasse” para funcionar. Além disso, os exemplos que eu estava encontrando na internet (como o da banda Guitar Zeros, que cheguei a implementar, mas não gostei do resultado), davam acorde de instrumentos como saída. A guitarra podia até dar 5 notas seguidas, mas eu queria ter a liberdade de fazer isso dentro do Ableton Live, que já uávamos naquela época (na época era a versão 6 ainda).

Encontrei um software chamado Controller Mate, que nada mais é que um remapeador para joysticks. Se você compra, por exemplo, um controle tipo PS2 e, quando liga no computador, percebe que ele está mandando triângulo no lugar de quadrado, você usa esse programa para corrigir o erro. A versão free do programa permitia, porém, um número limitado de blocos de programação (algo em torno de 12). Compramos por US$ 15 a versão paga, e aí eu usei um pouco do que aprendi no curso de Engenharia Mecatrônica, que larguei na Unicamp, e fiz um programinha com uns 70 blocos que fazia exatamente o que eu queria e um pouquinho mais.
Para simplificar, a guitarra, quando paletada dessa forma a que me refiro, exatamente igual ao jogo, efetua “keystrokes”, ou seja, dispara uma das teclas do teclado normal mesmo, mas que podem ser usados no Ableton Live como forma de emular um teclado. Assim posso controlar qualquer instrumento dentro do Live com a minha guitarra, passando pelo processamento do Controller Mate. Como um extra, programei os botões start e select para alternarem entre 5 programações: notas em seqüência, escala maior, pentatônica maior, escala menor, pentatônica menor. Para selecionar qual tom quero na primeira nota usamos um pitch dentro do live mesmo.

Antes usávamos tudo isso num notebook com Windows, mas começou a ficar pesado, conforme começamos a incrementar o live com efeitos e etc. Passamos para um MacBook, no qual tocávamos e mixávamos as tracks ao mesmo tempo. Agora o som das tracks sai de um Mac e a guitarra e uma coleção infinita de samplers do outro, assim podemos trabalhar os dois enxergando o que fazemos.
Quando usávamos a versão Suite do Live 6.0, usávamos uma infinidade de instrumentos, a maior parte baseadas no Operator, mas agora que, na atualização do Live, passamos para o 8.0 simples, começamos a usar instrumentos mais simples e alguns vsts, mas realmente funciona com qualquer coisa dentro do Live.

Além disso usamos ainda, apenas em casa para brincar algumas vezes, controles normais de PS3 para setar efeitos de beat repeat, por exemplo. A grande vantagem é usar os analógicos para controlar efeitos, mas fica pouco prático para tocar de verdade e outros controles que usamos já fazem esse papel. Nesse caso transformamos o sinal em midi mesmo com max/msp. Não usei ainda o max integrado ao live, que foi comentado no lançamento do 8, mas só porque agora não me fez falta e é um extra, então…

Acho que é isso. Colocando Undog no You Tube você acha alguns vídeos nossos e aí embaixo tem mais links.

BEVI

DJ Hero a caminho:

Acredito que o Undog é primeiro projeto a usar a guitarra do Guitar Hero para controlar o Ableton, em tempo de Max for Live e de DJ Hero é bom mergulhar o quanto antes nestas novas possibilidades.